3 vampiros reais da história



Longe da ficção moderna, o vampiro fluorescente, a bonita e delicada figura mítica do sinistro e desagradável ser grotesco “vampiro”, foi forjada em várias culturas do mundo ao longo da história. Quando pensamos nestes seres peculiares, a idéia de “sugadores de sangue imortais” nos vem à mente imediatamente.
No entanto, certos personagens, que aparecem não só no folclore, mas também em registros históricos da antiguidade, têm alimentado o mito do vampirismo como uma exceção. Para entender um pouco mais sobre esse mito, confira esses três “vampiros reais” da história.

 

 
3 – Jure Grando, “o primeiro vampiro”.

Jure Grando ocupa um lugar central no que poderia ser chamado de vampirismo, já que, em essência, é a primeira pessoa sob a nominalização de “vampiro”. Era um velho camponês da península da Ístria, uma região que agora compõem os territórios da Croácia, Eslovênia e Itália. É por isso que é uma figura-chave no folclore do vampiro.
Enquanto ninguém sabe a data de seu nascimento, Jure Grando morreu em 1656, mas foi somente depois de 1672 que ele aterrorizou os povos da região por cerca de 16 anos. Nos documentos, a população local o chamava de “o Strigon”, que se traduz como “o vampiro” e como lá se diz, os moradores eram perseguidos durante a noite, quando este homem andava batendo na porta da casas, mesmo após a sua morte. No dia seguinte, um membro da família que havia recebido golpes na porta amanhecia morto.
Os moradores, cansados ​​da situação, decidiram enfrentar este homem na companhia do padre local. De acordo com o que é mencionado nos documentos, depois de profanar o túmulo de Grando e em nome de Deus para expulsar o Strigon, grandes lágrimas brotaram nos olhos do cadáver, que foi removido do túmulo e decapitado. Hoje em dia, este lugar é antropológico, histórico, cultural e, claro, turístico.

 

 
2 – Elizabeth Bathory, “A Condessa Sangrenta”.

A história está repleta de terríveis assassinos em série, sádicos e personalidades com psicopatologias montadas em qualquer outro contexto, tornam-se criminosos cruéis. Enquanto alguns eram mencionados na antiguidade como casos de “vampirismo”, não foi o que aconteceu na Hungria no século XVI.
A Condessa Elizabeth Bathory foi um bom exemplo disso, uma serial killer do topo da aristocracia húngara, se divertiu com a tortura, assassinato e abuso de camponeses.
“A Condessa Sangrenta”, como foi chamada depois de ser julgada por suas atrocidades, é a mulher com mais assassinatos na história da humanidade, que estão em registros.
Elizabeth Bathory, obcecada com a beleza e a idéia de vida eterna, matou pelo menos 80 pessoas e embora não tenha sido confirmadas, estima-se que foram, na verdade, mais de 650. De acordo com contos populares locais, esta mulher delirante se banhava no sangue de virgens da região para ficar jovem e bonita, mas deve-se notar que existem muitos historiadores que não concordam com essa premissa.
Após o julgamento, Elizabeth foi condenada por toda a vida para ser emparedada viva. Assim, ela ficou bloqueada em uma das paredes do seu castelo com espaço suficiente para o ar e alimento. Depois de anos de agonia por trás das paredes, a condessa deixou de existir. Sem dúvida, é uma história que trouxe muito para o mito do vampirismo e embora nós podemos nunca saber a razão de uma mente tão disfuncional como a de Elizabeth, o caso ainda atrai a atenção de muitos pesquisadores, antropólogos e historiadores.

 

 
1 – Vlad Tepes, “O Empalador”.

Como não poderia ser de outra forma, Vlad Tepes, “o Empalador”, é uma parte essencial na formulação do mito do vampiro e a figura característica do “sanguessuga”, especialmente após a ficcionalização que Bram Stoker fez com ele em “Drácula”. Por outro lado, embora para ser colocado no lugar mítico entre ficção e realidade, é necessário mencionar que o romance de Stoker também despertou um interesse científico no fundo da figura histórica do homem real, Vlad Drácula.
Vlad III , conhecido como Vlad Tepes e melhor ainda como “Vlad, o Empalador”, era um príncipe da região da Valáquia (Romênia), entre 1456 e 1462. Embora ele tenha se tornado um católico, Vlad era um ortodoxo fervoroso pertencente à chamada Ordem do Dragão, que defendeu a sua terra, desde a vasta e sangrenta expansão otomana que lutaram para libertar a Romênia do poder alemão, húngaro e turco.
Mas sua história foi realmente difícil. Vlad tornou-se uma figura marcante devido à sua imensa crueldade, especialmente quando punia alguém que se opunha a seus mandatos, ou pior, que o traísse. A penalidade era colocar um pedaço de pau no reto de seus inimigos, que, em seguida, morriam a uma altura de cerca de 3,5 metros. Isto resultou em uma das primeiras formas de guerra psicológica conhecida, porque quando as linhas inimigas chegavam às florestas e montanhas da Valáquia, encontraram centenas de homens nus e sangrentos que morriam desta maneira.
É claro que isso não era tudo. Durante seu auge, Vlad foi responsável por empalar, incinerar, dissecar, desmembrar e sangrar um grande número de inimigos espalhados por toda a região. Estes foram sempre usados ​​para causar medo nos invasores. Com tal cenário, a figura de Vlad Tepes ocupa um lugar supremo dentro do mito do vampiro, já que é mencionado em muitas histórias germânicas, entre outras coisas, que ele sugava o sangue de seus inimigos.

 

 

( Originalmente publicado no Diário Insano )



Posts Relacionados

Deixe um comentário

error: Content is protected !!