gorila

Já falamos aqui no blog sobre como nossa percepção pode nos enganar sobre a realidade que nos circunda. Além dos quesitos já apontados, dependemos também de nossa capacidade de atenção e memória para nos apropriar convenientemente da realidade.

Cristopher Chabris e Dan Simons, psicólogos norteamericanos, publicaram um livro chamado O Gorila Invisível onde detalham ilusões do dia a dia que influenciam nossa vida: ilusões de atenção, memória, confiança, saber, causa e potencial. Aqui vamos nos deter na capacidade de atenção e memória.

Os autores apontam que mesmo sabendo o quanto nossas convicções e palpites são equivocados continuamos obstinadamente resistentes a mudanças.

O título do livro refere-se a um experimento que ambos fizeram com estudantes de Psicologia da Universidade de Harvard. No experimento os participantes tinham de assistir a um vídeo onde algumas pessoas fazem passes de bola umas para as outras. Metade delas estão de camiseta branca e as outras de camiseta preta. Os participantes tinham de contar quantos passes eram feitos entre as pessoas vestindo camisetas brancas.

Os estudantes acertaram o número de passes, mas deixaram de ver um “gorila” que de repente cruza o ambiente onde estão os jogadores. Essa falha é chamada de cegueira não intencional ou cegueira por desatenção, termo que parece ter sido cunhado por Arien Mack e Irvin Rock, que escreveram um livro com esse nome

Após experimentos realizados, eles concluíram que quando a atenção é absorvida por uma tarefa visual exigente, é como se a pessoa tivesse um ponto cego para outras coisas.

“Por que isso acontece? Trata-se apenas do jeito como nossas mentes funcionam?

Você poderia chamá-lo de um efeito colateral da maneira como a mente é projetada. Outros pesquisadores descobriram que quando você prestar atenção a alguns aspectos de seu mundo visual, os sistemas do cérebro responsáveis por processar o que você está prestando atenção aumentam a atividade. Isso é parte do que é a atenção. É dedicar mais poder de processamento de informações para o que você está prestando atenção. Ele permite que você faça coisas com um estímulo que você não poderia fazer de outra forma. Por exemplo, você pode seguir uma bola movendo-se a velocidades muito altas, mas não pode fazer isso sem prestar atenção.

O fato de que podemos prestar atenção nos dá grande vantagem, aumenta o poder computacional do cérebro no que diz respeito ao que nós estamos prestando atenção, mas o custo é que diminui o processamento de informação feito noutro local. A atenção é uma habilidade maravilhosa, mas de certa forma, é como um jogo de soma zero, tira o nosso poder de perceber objetos inesperados. Isso surpreende as pessoas. Sua intuição é que essas coisas vão agarrar sua atenção. Acontece que a atenção pode ser dedicada tão fortemente a uma coisa que você absolutamente não percebe outras coisas.

Cegueira por desatenção e os outros exemplos em seu livro são conhecidos como “ilusões diárias.” Como você define esse termo?

São ilusões sobre a forma como a nossa mente funciona. Pensar que você vai notar tudo de importante que acontece é uma ilusão sobre como sua mente funciona. Pensar que você vai se lembrar de coisas com mais detalhes e com mais precisão do que você faz é uma ilusão sobre como sua mente funciona. Quanto mais pensa sobre eles, mais percebe o grande papel que desempenham no comportamento e decisões todos os dias. Você não precisa de equipamentos especiais para experimentar isto. Elas acontecem o tempo todo na vida cotidiana.

A mídia tem sido conhecida por desancar políticos que contam histórias sobre o seu passado, que não aconteceram com eles. Mas de acordo com o seu trabalho eles poderiam estar sofrendo do que você chama de “a ilusão da memória.” Descreva isso.

Quando os políticos dizem algo sobre seu próprio passado que não é verdade, o debate sempre se inflama. Eles são mentirosos? Eles estão perdendo a razão? Mas esta é a maneira como a memória funciona. Ela não é tão perfeita como pensamos. A ilusão da memória é a nossa maneira de resumir os resultados de décadas de pesquisas sobre o funcionamento da memória. Memória não funciona como uma câmera de vídeo. Não grava tudo o que acontece com você. É tendenciosa em formas sistemáticas. Normalmente, nossas lembranças têm-nos no centro da ação muito mais do que realmente foram. Nossas memórias nos fazem parecer melhor do que somos e nossas memórias também tendem a conformar-se ao que se espera que aconteça e perder detalhes sem importância.

Há algo que possamos fazer para melhorar a forma como a nossa mente funciona?

Nós estamos trabalhando em um novo livro, que vai tentar responder a essa pergunta. Sabendo que nossas mentes são limitadas dessa maneira, podemos ver o que está faltando? Podemos saber quando poderia estar em território cognitivo perigoso e precisamos prestar atenção extra ou repensar os pressupostos ou questionar o nosso conhecimento? Parte da resposta é aprender mais sobre como sua mente funciona. O próximo passo é ser mais honesto com você mesmo sobre o seu próprio nível de conhecimento. Muitas más decisões são feitas quando as pessoas superestimam seu próprio conhecimento. Adotar uma atitude de humildade sobre o seu próprio conhecimento é crucial.

Então você pode começar a pensar em maneiras específicas de ver o que está perdendo – talvez procurando por mais informações relevantes para a sua decisão. Você pode refletir sobre seus próprios processos de tomada de decisão. Eu estava usando toda a informação que eu deveria ter? Eu estava tirando conclusões precipitadas?” (http://www.smartplanet.com/blog/pure-genius/qa-christopher-chabris-psychology-professor-on-everyday-illusions/)

Excelentes sugestões as ofertadas pelo Dr. Chabris, principalmente para aqueles que se consideram sempre “certos” sobre tudo. rsrs

Aqui vai o link de uma das versões que existem no Youtube sobre o experimento citado acima. Quando o vídeo começa você deve contar quantos passes são dados entre os jogadores de camisa branca.

 


 

( Originalmente postado no Expansão da Consciência )





Posts Relacionados

Deixe um comentário

error: Content is protected !!