Na esteira da pesquisa sobre o Fora do Eixo, a ONG subordinada ao projeto de poder do PT e que dá suporte ao Mídia Ninja , acabei descobrindo como a Lei Rouanet , a mesma que  banca as operações de vários braços do PT travestidas de instituições culturais, não só acaba causando prejuízos ao erário como também prejuízo direto aos cidadões que dela deveriam se beneficiar.

Singular coincidência : no caso relatado a seguir, o realizador do evento também tem (ou teve) uma ligação com o PT.

 

Eis :

 

POR Andre Barcinski, da Folha de São Paulo

 

Este é um texto diferente do que você está acostumado a ler aqui no blog.

É um texto mais extenso que o normal. Peço um pouco de paciência. Leia com calma, que vale a pena.

É a história de como uma iniciativa bancada com leis de incentivo e aparentemente benéfica à população se revelou um desperdício de dinheiro público e um prejuízo para comerciantes e profissionais locais, além de uma frustração imensa para uma cidade.

Tudo começou em maio de 2012, quando aconteceu em Paraty (RJ) a Virada Digital.

Era um evento de “inclusão digital”, que prometia deixar para a cidade um legado de tecnologia e infraestrutura de Internet e levar conhecimento a comunidades carentes da região.

A Virada Digital foi bancada por isenção fiscal e patrocinada por estatais e grandes empresas do setor de telecomunicações. Teve apoio institucional da prefeitura local, dos governos Federal e do Estado do Rio e patrocínio da Petrobras, Caixa Econômica Federal, Embratel e Cisco.

O evento foi realizado por uma empresa chamada Ninui, de propriedade de Roberto Andrade. Andrade foi um dos responsáveis pela vinda da Campus Party ao Brasil e foi coordenador de Internet da campanha de Dilma Roussef à Presidência, em 2010.

A Ninui conseguiu aprovação de captação de recursos com o Ministério da Cultura (2,3 milhões de reais) e por meio da Lei Estadual do Rio de Janeiro (1,47 milhão de reais). A Petrobras (600 mil reais) e Embratel (150 mil reais) usaram a Lei Estadual do Rio.

Veja um vídeo em que curadores e o organizador falam sobre a expectativa em relação ao evento:

 


 

Durante os três dias do evento, foram realizados debates e palestras sobre cultura digital e instalados pontos de internet de alta velocidade na cidade, para uso gratuito da população.

Entre os debates, houve um com o tema “Paraty Digital – Paraty Século 21”, que contou com Gilberto Gil (que gravou um depoimento em vídeo), especialistas em inclusão digital e com Pablo Capilé, da rede Fora do Eixo, que deixou esse depoimento surpreendente em que revela que Paraty fica no interior:

 


 

Qualquer morador da cidade poderia dar um belo depoimento sobre a moderníssima rede de Internet da região, que não resiste a uma garoa, ou sobre as inúmeras comunidades rurais sem acesso à web, ou ainda sobre a velocidade supersônica da conexão local (no momento em que escrevo, exatos 439,83 kbps).

Mas o evento trouxe esperanças de melhoria aos moradores. Depois da Virada Digital, fomos informados, tudo mudaria.

Em entrevistas e no próprio release da Virada Digital, o organizador prometeu que um cabeamento de fibra ótica de 100 Mb de velocidade, que a Embratel colocaria no evento, ficaria para a cidade.

“Ela (a fibra ótica) veio do mar através de Trindade (…). Esta fibra ótica ficará na cidade após o evento, é compromisso da Embratel, o que representará um salto de qualidade no serviço de internet em Paraty”, afirmou Roberto Andrade ao site Paraty.com, em abril de 2012.

A Embratel, no entanto, não confirma isso. Procurada pela Folha, a empresa afirmou: “A estrutura utilizada na cidade de Paraty-RJ foi projetada especificamente para o evento Virada Digital.” A empresa não informa se planeja explorar comercialmente o cabeamento.

“A Internet aqui na nossa região é tão ruim que até parece aqueles telefones de fio e caixas de fósforos que fazíamos quando crianças”, disse Amaury Barbosa, Secretário de Cultura de Paraty. “Recebemos a promessa do Sr. Roberto Andrade de que receberíamos computadores e a fibra ótica, colocada por ocasião do evento, deixaria um benefício para a cidade.”

Outra reclamação da Prefeitura se refere à promessa de doação de equipamentos de informática. O release da Virada Digital diz: “Todo o aparato tecnológico do evento, como (…) computadores instalados, será doado à cidade e ficará como legado do evento.”

“Estávamos contando com o apoio de uma grande marca de computadores”, disse Andrade. “Fomos avisados na véspera do evento que a marca não participaria (…) Isto nos pegou de surpresa.”

Apesar de ter sido avisado “na véspera”, o evento manteve, em seu release de imprensa, a informação sobre a doação. “Reconheço que deveríamos ter retirado do release o assunto dos computadores”, afirma Andrade. “Foi um erro de comunicação”.

A Virada Digital também deixou dívidas com agências de turismo, pousadas, restaurantes e profissionais da cidade.

Apurei onze casos, com dívidas que vão de 5 mil a 160 mil reais. Tive acesso a contratos, recibos, e-mails e cheques da Ninui que foram usados para pagar fornecedores e, depois, sustados. Até o rapper MV Bill, um dos curadores do evento, tinha dinheiro a receber da Virada Digital.

Uma coordenadora de logística, que recebeu cerca de 2 mil reais para trabalhar no evento, ficou com dívidas de mais de 50 mil reais em pousadas e agências de turismo da cidade. “Fiz as reservas para o evento, que não pagou ninguém. Agora é meu nome que está sujo”, diz a coordenadora, que pediu para não ser identificada.

O escritório da Ninui, empresa que recebeu as verbas via lei de incentivo, foi fechado no fim de setembro.

Mesmo com todos esses problemas, a Virada Digital anuncia outras edições. Segundo o site da Virada, o evento volta a acontecer em 2013 no Rio de Janeiro e em 2014 nas cidades-sede da Copa do Mundo.

É ver para crer.

( Fonte )





Posts Relacionados

Deixe um comentário

error: Content is protected !!